21 de dezembro de…

1584   Morre o Padre Manuel de Paiva, superior dos jesuítas que fundaram o colégio de São Paulo. Morreu no Espírito Santo. (Rio Branco, 604).

 

1872   O Dr. João Teodoro Xavier de Matos assume a presidência da província de São Paulo. (Folhas).

 

1875   O senhor bispo diocesano de São Paulo cria a nova Comarca Eclesiástica de São José do Paraíso constituída das freguesias: São Bento do Sapucaí-Mirim, Conceição dos Ouros, São João Batista da Cachoeira, São Caetano da Várzea Grande e Nossa Senhora da Consolação do Capivari, sendo nomeado vigário da vara o sacerdote taubateano P.e João Alves Coelho Guimarães, vigário de São José do Paraíso. O vigário da vara da Comarca de Taubaté, desmembrada é o Côn. Francisco Justiniano de Abreu e Andrade. (A Imprensa de 16 e 30 /01/1876).

 

1876   O jovem, Manoel Jorge Rodrigues retira-se da redação do jornal “Estrela do Norte” que se edita em Taubaté. É filho do Juiz de Direito da Comarca de Taubaté, Dr. Antônio Joaquim Rodrigues que está aqui há 3 anos. (A Imprensa de Taubaté).

 

1882   Foge da Chácara do Itaim do Sr. Manoel Gomes de Araújo um par de escravos de 45 ou 46 anos mais ou menos de nomes Laurindo e Marcelino, ambos fulas, constando que andam tirando esmolas sem sua autorização e pela apreensão e entrega dos mesmos oferece 30$000. (Gazeta de Taubaté de 07/01/1883).

 

1883   Portaria do senhor bispo diocesano D. Lino Rodrigues Deodato de Carvalho, nomeia o coadjutor da paróquia de Taubaté Rev.do P.e José Marcondes Homem de Mello (futuro arcebispo do Pará e bispo de São Carlos do Pinhal) para vigário da paróquia de São Roque. Dom José Marcondes Homem de Mello vai sobreviver ao naufrágio do navio “Sírio” em que pereceu D. José de Camargo Barros, bispo de São Paulo, a que sucedeu o taubateano Dom Duarte Leopoldo e Silva. (Gazeta de Taubaté).

 

1884   O Sr. Francisco Ignácio de Souza Almeida segue para a corte em companhia de seus cunhados para assistir à colação de grau em Medicina de seu cunhado Dr. José Philipe Cursino de Moura o primeiro taubateano a se formar em Medicina em academia brasileira – a do Rio de Janeiro. (Gazeta de Taubaté).

 

1894   O Sr. Salvador Giunta, estabelecido em Taubaté com importação de vinho italiano da Sicília para desfazer boatos sobre a impureza do produto obteve análise favorável na Diretoria do Serviço Sanitário em São Paulo e a publica. A firma é Salvador Giunta & C.ia e está estabelecida com depósito de vinhos no Largo da Liberdade (Praça Dr. Monteiro) n.º 11 e 13. A calúnia foi propalada durante a “epidemia de há pouco”. (O Imperial de 01/01/1895).

 

1901   O poeta italiano radicado em Taubaté, Sr. Honório Giovine (Jovino), casa-se com D. Julieta Schimidt, filha do Sr. Amaro Schimidt. O poeta é negociante proprietário de charutaria. (Jornal de Taubaté).

 

1905   O Sr. Manoel Leitão instala sua Empresa Funerária à Rua Bispo Rodovalho onde foi a antiga Casa Thaumaturgo. Além de fabricar caixões fúnebres, encarrega-se também de pinturas, quadros e fantasias para retratos, etc. (Jornal de Taubaté).

 

1905   O Dr. Afonso Moreira da Silva, intendente municipal de Taubaté, abre concorrência públi-ca para publicação do expediente da Câmara com as seguintes condições: (para 1906 orça-da em 1:200$000) publicar todo o expediente da Câmara, Intendência, e suas repartições, delegacia e sub-delegacia de polícia, juri, etc. Enviar repórter (1.ª vez que encontro essa expressão repórter) a todas as sessões da Câmara para anotar o que se passa e publicar no dia imediato evitando atraso. Fazer as retificações nas publicações que a Câmara determinar. Enviar um exemplar do jornal à Câmara, outro à Procuradoria e um a cada vereador. Multa 50$000. Prazo 2 de janeiro (Jornal de Taubaté).

 

1905   O Dr. Afonso Moreira da Silva, intendente municipal, abre concorrência pública para o contrato de serviço de iluminação a querosene da parte da cidade não servida por iluminação a gás (subúrbios) orçado em 2:400$000 em 1906 devendo: 1 – Fornecer querosene, arandelas, vidros, bocais, torcidas e todos os pertences com a acessórios dos lampiões em número de 70 (setenta) fornecendo a Câmara apenas os postes e os lampiões. 2 – Conservar os lampiões e postes pintando-os e consertando-os por sua conta. 3 – Conservar acesos os lampiões desde o anoitecer até às 4h. da manhã de outubro a março e 4h e 30min. de abril a setembro. 4 – Iluminar a parte da cidade não servida pela iluminação a gás todos os meses três dias depois da lua cheia até 4 dias depois da lua nova. 5 – Pagar multa de $500 réis por noite e por lampião que se encontrar apagado e 30$000 por lampião que se inutilizar ou desaparecer. Prazo: 2 de janeiro. (Jornal de Taubaté).

 

1905   Os alunos do Colégio Progresso mantido pela Associação dos Empregados no Comércio de Taubaté realizam mais um espetáculo em benefício dos pobres de São Vicente. (A Verdade).

 

1914   Decreto Legislativo revoga a lei n.º 350 de 26 de agosto de 1895 que desmembrou o muni-cípio de Natividade da Comarca de Paraibuna para anexá-lo a de São Luís do Paraitinga. (O Norte).

 

1914   O vice-presidente do Estado em exercício na Presidência promulga lei autorizando as Câmaras Municipais a criarem o imposto predial rústico para abertura e conservação de estradas municipais, isentos os prédios de propriedades cafeeiras. Tabela: até 10 m2 – 3$000 – de 11 a 36, 4$; de 37 a 45, 5$ – de 46 a 80, 8$ – e de 81 a 120, 14$ acima disso 120 m2, 20$. (O Norte).

 

1927   Morre em Taubaté com 86 anos D. Joanna Affonso de Oliveira, viúva do capitão Francisco Affonso Vieira e mãe do Dr. Pompílio Afonso Vieira, secretário da Escola de Farmácia de São Paulo. (O Norte).

 

1940   Morre em Taubaté o Sr. prof. Benedito da Silva Ayello, secretário da Delegacia Regional de Ensino nesta cidade e professor do Ginásio Diocesano Santo Antônio e que relevantes serviços prestou aqui ao ensino público e particular. Era casado com D. Eglantina Ferraz Porto Ayello. (O Lábaro).

 

1941   O MOMENTO transcreve o artigo “Um Tro-peiro Taubateano” de autoria do prof. Cesídio Ambrogi, publicado pelo Correio Paulistano de 30 de novembro, sobre o mulato Duarte Lopes, o verdadeiro descobridor de ouro da bandeira de Antônio Rodrigues Arzão.

_______

Extraído das Efemérides Taubateanas, de José Cláudio Alves da Silva. Acervo Maria Morgado de Abreu

Comments

1 Comentário

  1. Rute Maria Cursino de Moura guarnieri

    22/12/2016 at 7:44 pm

    1884. JOSÉ PHILLIPE CURSINO DE MOURA . Meu tio bisavô. Tenho a tese de doutorado dele. Dom Pedro ll, esteve presente a solenidade da defesa de tese,. Médico designado p atender os imigrantes italianos de Quiritim
    Casou-se com uma Oliveira Costa.

    Mudou-se para São Paulo, a época de estudos dos filhos.

Deixe uma resposta